Só para dar uma satisfação: amanhã, viagem a Campina Grande para a despedida da Magali. Voltamos a nossa programação normal na segunda - com as tais cinco críticas (ver post de ontem) de uma vez. Vai servir como um post sobre o Oscar.

E a quem interessar possa: ainda não conheci a menina de quem meu amigo tanto falou. (É porque já andam perguntando por aí). Até a volta!

19h01. A-ca-bei! As críticas deram mais trabalho do que pareciam. Não é fácil falar de cinco filmes, um atrás do outro, com cuidado para não ser repetitivo e, com todo o cansaço, raciocinando para não só não falar besteira como levar uma informação de qualidade ao leitor. Ufa! Foi dose.

Uma coisa eu digo: depois das quintas-feiras, a sexta parece tão tranqüila... Boa noite!

18h35. Terminei a quarta crítica. Só falta uma... Vamos, força, só falta mais um pouco, vamos conseguir...
16h22. Pari a primeira. Aaaaaargh!
14h27. Segunda matéria - sobre a estréia do filme Hitch (ah, eu não contei que surgiu mais esta pauta? Pois surgiu) - fechada. Vamos à terceira - as críticas de O Aviador, Menina de Ouro, Sideways e Em Busca da Terra do Nunca.
14h15. Voltando do almoço. Fettucinne. Foi bom, mas sinto que gastei mais do que deveria. Segunda matéria faltando umas cinco linhas. Com a secretária de redação já cobrando.
11h58. Primeira matéria finalmente entregue (depois que o Elinaldo, meu chefe, comunicou que só tínhamos meia página). A matéria da qual a Gisa falou ficou mesmo para o sábado, felizmente.

10h55. Primeiro parágrafo da introdução do livro:

"Procurei, no longo esforço de algns anos dedicados à construção da presente obrea, estudar estes dois temas que agora exponho à análise do leitor: o processo de gestação da ideologia elitista, desde a formação da sociedade comunal portuguesa, e a sua ação nas lides das descobertas marinhas e da colonização do Brasil, até o seu desencadear nos dias atuais. Aduzimos rápido estudo de como se construiu o elitismo numa sociedade onde moureja um povo com tão forte capacidade de trabalho e um acendrado espírito comunicativo como o brasileiro".

Tirem suas próprias conclusões.

10h43. Consegui finalmente fazer a entrevista com Agassiz Almeida. Ele mesmo ligou . Durate a entrevista, a editora-geral, Gisa, disse - de longe - que tinha uma pauta para mim. Só espero que não seja para hoje...
9h50. Ainda não consegui o telefone do Agassiz Almeida. Ligaram da Claro por causa de uma conta atrasada. No meio da ligação, a bateria do meu celular acaba. Até prova em contrário, estou sem celular pelo resto do dia.

Um dia de adiantamento na vida do Renato Félix. Sendo "adiantamento", para os não-iniciados, o dia em que fazemos duas edições do jornal ao invés de um. No caso, sexta e domingo.

Cheguei à redação há 10 minutos. 9h07, agora. Já tenho três pautas a cumprir: o livro A República das Elites, de Agassiz Almeida, para a capa de sexta (um livro sobre ideologia e sociologia na capa do caderno de cultura. Sei); a crítica de domingo; uma especial para domingo, com quatro críticas dos filmes indicados ao Oscar em cartaz em João Pessoa. Espera aí, se são quatro críticas, então, tecnicamente, são seis textos no total?

Começamos bem...

CRÍTICA/ "SIDEWAYS - ENTRE UMAS E OUTRAS"
 
Viagem através do vinho

Sideways - Entre Umas e Outras (Sideways, EUA/ Hungria, 2004) ganhou o Globo de Ouro e o prêmio dos Críticos de Nova York como melhor filme do ano passado. Não é para tanto, embora isso não queira dizer de maneira alguma que se trata de um mau filme.

Alexander Payne dirige uma produção independente onde dois amigos fazem uma viagem pela rota dos vinhos na Califórnia. Um deles é um escritor frustrado que entende muito do assunto. O outro vai se casar dali a sete dias e pretende ter um período de farras antes de subir ao altar.

O que cada um consegue é uma - por vezes engraçada, por vezes dura - viagem de encontro a si mesmo. Através das belas paisagens e dos papos sobre vinho, os dois amigos encontram duas belas mulheres, se envolvem com elas e entram em conflito sobre suas maneiras diferentes de lidar com o assunto.

O roteiro é mesmo muito bom e os personagens passam uma sinceridade nos sentimentos que é difícil de ver nas grandes produções. Ao mesmo tempo, é um filme charmoso, sem o cacoete dos independentes, onde muitas vezes parece que o improviso é a regra.

E é um filme muito apoiado no elenco, que garante a qualidade do filme. Paul Giamatti tem aproveitado muito bem as chances que têm aparecido e Sideways ainda resgata a sumida (e sempre linda) Virginia Madsen. (Renato Félix)

Sideways - Entre Umas e Outras. Sideways. Estados Unidos/ Hungria, 2004. Direção: Alexader Payne. Elenco: Paul Giamatti, Thomas Haden Church, Virginia Madsen, Sandra Oh, Marylouise Burke.

[ ver mensagens anteriores ]
Meu Perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, Spanish
MSN - renatofelix2002@hotmail.com